MULTIDATAS COMEMORATIVAS

07 de maio: Dia do Oftalmologista

07DEMAIODIADOOFTALMOLOGISTA3

A história da oftalmologia ocupa um lugar especial na evolução da medicina em virtude das peculiaridades do órgão da visão: a importância de sua função e o mistério de seu funcionamento fizeram com que, durante muito tempo, fossem atribuídos ao olho poderes mágicos, benfazejos ou nefastos, capazes de lançar mau-olhado ou quebranto.

==
Oftalmologista
==

Oftalmologia é a especialidade médica à qual cabem o estudo, o diagnóstico e o tratamento das doenças e lesões do olho e seus órgãos anexos.

Foi um dos primeiros ramos da medicina a ser tratado como especialidade independente.

Os antigos egípcios já estudavam o órgão da visão, mas a oftalmologia clínica começou realmente com os gregos.

Hipócrates e seus alunos estudaram minuciosamente as doenças oculares. Datam dessa época as primeiras descrições anatômicas do olho.

A oftalmologia romana foi herdeira direta da medicina grega e, particularmente, da escola de Alexandria. Entre os árabes, teve grande importância a obra “Dez tratados sobre o olho”, de Hunayn ibn Ishaq.

O oftalmologista se dedica não só aos aspectos patológicos da visão, mas também à análise de sua fisiologia.

O sistema óptico do olho pode ser equiparado, em termos físicos, a uma lente convergente capaz de projetar imagens invertidas e reduzidas dos objetos sobre a retina, membrana mais interna do globo ocular.

A correta focalização de uma imagem depende do poder de refração do cristalino, corpo transparente biconvexo que funciona como lente convergente capaz de projetar imagens invertidas e reduzidas dos objetos sobre a retina, membrana mais interna do globo ocular.

A correta focalização de uma imagem depende do poder de refração do cristalino, corpo transparente biconvexo que funciona como lente

A percepção da imagem é condicionada, por sua vez, à acomodação ocular, capacidade de curvatura do cristalino.

Tal faculdade permite fixar e focalizar sobre a retina imagens situadas a menos de seis metros. O olho dotado de tal condição é normal, ou emétrope.

A invenção do oftalmoscópio (1851), aparelho que serve para observar o interior do olho, atribuída a Hermann von Helmholtz, permitiu relacionar deficiências visuais a estados patológicos internos.

Os avanços ópticos obtidos pelo médico holandês Frans Cornelis Donders, em 1864, permitiram criar o moderno sistema de prescrição e adaptação de óculos para deficiências visuais específicas.
.
Existem muitas alterações, ou ametropias, que não se consideram como doenças oftálmicas porque dispensam tratamento clínico e são passíveis de correção óptica.

No olho amétrope, a imagem de um objeto se forma não exatamente no plano da retina, mas antes dele, o que caracteriza a miopia; ou depois, caso da hipermetropia.

Os dois estados correspondem, respectivamente, à dificuldade de percepção visual de objetos situados a longas e a curtas distâncias.

A variante da hipermetropia chamada presbiopia, conhecida popularmente como vista cansada, se manifesta na maturidade em decorrência da redução do poder de acomodação ocular, por causa do enfraquecimento do músculo ciliar e da pouca elasticidade do cristalino.

Outro distúrbio oftálmico comum é o astigmatismo, causado por variações no raio da curvatura dos meridianos de alguma das membranas oculares e, mais freqüentemente, da córnea.

Por essa razão, o astigmata enxerga imagens fora de foco e, principalmente, linhas nítidas apenas na direção de um dos meridianos.

Entre as discromatopsias, ou dificuldades para o discernimento de cores, figura especialmente o daltonismo, variedade de distúrbio óptico caracterizada por cegueira total ou parcial para algumas cores, como o vermelho e o verde

Fonte: Encyclopedia Britannica do Brasil

OU

Dia do oftalmologista

========
Oftalmologia. Quer dizer literalmente ciência do olho. Oftalmologista é, portanto, o médico que cuida dos olhos. Sujeito importante esse. Dia 7 de maio é o Dia do Oftalmologista, uma comemoração recente considerando que a história do tratamento dos olhos se perde no tempo.
===

Oftalmologista

É uma boa lembrança de que exames periódicos podem evitar até 70% dos casos de cegueira e que a correção de pequenas perdas visuais pode evitar muitos e graves problemas no futuro.

O oftalmologista é tão importante quanto os olhos propriamente ditos. Repare que ao iniciar uma frase com um “veja bem”, você equipara o ato de ver à compreensão.

Ou que, ao dizer que alguém é uma “pessoa de visão”, comparamos esse sentido humano ao descortino e à inteligência. Que dizer do “mau-olhado”? E do “ser bem visto”? Se os olhos são as “janelas da alma”, como se diz, o olhar é a derradeira e irretorquível comprovação, “ninguém me contou, eu vi”. Chega a ser fecho de vaticínio: quem viver, verá.

Enxergar bem foi fator decisivo para a sobrevivência durante a maior parte da história humana. Não é de estranhar que detectar, entender e tratar doenças nos olhos sejam atividades bem antigas.

Os registros remontam a 1.600 anos antes de Cristo, no Antigo Egito, a 600 A.C. na Índia, e ao cirurgião Sushruta, que teria sido o primeiro médico a fazer uma cirurgia de catarata. Também na Grécia Clássica, passando por Alexandria e depois por Roma, o tratamento dos olhos sempre foi tarefa importante.

A oftalmologia é considerada a primeira das especialidades médicas. Hoje, está dividida em muitas sub-especialidades.

Claro que somente a partir do século 17, com o desvendamento das leis da ótica, acelerou-se o conhecimento — e, atualmente, transcorridos pouco mais de 400 anos, até o modo como cérebro processa as imagens que os olhos recebem, a última barreira do mistério, começa a cair e já não está tão distante o dia em que teremos implantes bio-eletrônicos capazes de simular a visão.

Uma visão perfeita, entretanto, não é coisa que se resolve em apenas 400 anos. Afinal, a natureza levou bilhões de anos para desenvolvê-la. Vai demorar um pouquinho mais.

À frente desse avanço fenomenal estão os oftalmologistas. Seja na pesquisa ou no tratamento, é incalculável o número de pessoas que se beneficiaram de seus conhecimentos ao longo de tanto tempo. Do revolucionário monóculo, que salvou biografias e – por que não? — vidas, até a queixa de que “eu não nasci de óculos”, foi um longo tempo.

Da lente de contato às cirurgias corretivas a laser nem tanto. Por quanto tempo ainda haverá problemas irreversíveis?

Para muitos, ter o dignóstico de um problema de vista é mais preocupante que doenças muito mais letais. Ser privado de visão pode ter um efeito devastador sobre o psiquismo, bem como efeitos econômicos e sociais. A manutenção da saúde ocular e a correção de problemas visuais contribuem fortemente para a capacidade de apreciar a vida e de tê-la mais longa e produtiva.

Dada a importância da visão para a qualidade de vida, os oftalmologistas consideram o seu trabalho recompensador, pois muitas vezes são capazes de restaurar ou melhorar a visão do paciente.

Fonte: http://www.jornaldaorla.com.br

Este post foi publicado em 07/05/2014 às 2:49 AM. Ele está arquivado em Sem categoria e marcado . Guarde o link permanente. Seguir quaisquer comentários aqui com o feed RSS para este post.
%d blogueiros gostam disto: